Home Mundo Birubala Rabha, que lutou contra a caça às bruxas na Índia, morre...

Birubala Rabha, que lutou contra a caça às bruxas na Índia, morre aos 75 anos

9
0

As vítimas da caça às bruxas enfrentam punições horríveis, segundo “Práticas Contemporâneas de Caça às Bruxas,” um relatório de 2015 da organização sem fins lucrativos indiana Partners for Law in Development. Eles podem ser submetidos a “despir-se à força”, disse o relatório, “desfilando nus em público, cortando ou tonsurando o cabelo, enegrecendo o rosto, cortando o nariz, arrancando os dentes para ‘defang’, arrancando o olho, chicotadas, estupro coletivo, consumo forçado de excrementos humanos, esterco de vaca” ou “matar por enforcamento, hackeamento, linchamento ou enterramento vivo”.

A Sra. Rabha viajou de aldeia em aldeia em Assam para se manifestar contra a prática e declarou que não existiam “daini”, ou bruxas. Há muito ela suspeitava das superstições populares e dos curandeiros que entoavam encantamentos sobre as mulheres jovens para expulsar o que elas acreditavam serem espíritos malignos. Quando era uma jovem mãe, um curandeiro local disse à Sra. Rabha que seu filho doente mental morreria em breve; ele não fez isso. Essa falsa previsão, na década de 1980, foi a semente do seu trabalho de defesa de direitos, que ela começou a sério por volta de 2000.

Naquele ano, ela se levantou numa reunião na aldeia de Lakhipur, também em Assam, para apoiar cinco mulheres acusadas de serem bruxas; ela não recuou quando centenas de aldeões cercaram sua casa no dia seguinte.

Usha Rabha relembrou a sua primeira missão de resgate com a Sra. Rabha, em 2006, quando uma multidão de bastões os cercou num estado vizinho. “Fiquei apavorada”, disse ela. Mas Birubala estava “completamente imperturbável”, disse Rabha. Quando a polícia veio resgatar as duas mulheres, disse ela, Birubala “repreendeu os policiais, dizendo: 'Não vou parar até terminar o trabalho que faço'”.

Em Assam, na década de 2000, Birubala Rabha aliou-se ao ex-diretor-geral da polícia do estado, Kuladhar Saikia. “Ela vinha até mim, me encontrava e discutia essas questões”, lembrou Saikia em uma entrevista, acrescentando: “Ela me disse que estava se levantando contra a injustiça social”.

fonte

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here