Home Notícias Hospital que trata vítimas de guerra no Sudão fecha após ataque rebelde

Hospital que trata vítimas de guerra no Sudão fecha após ataque rebelde

5
0

Como acontece6:43Hospital que trata vítimas de guerra no Sudão fecha após ataque rebelde

As pessoas no Sudão devastado pela guerra estão a ficar sem locais para obter ajuda médica.

No domingo, rebeldes do grupo paramilitar Forças de Apoio Rápido (RSF) invadiram o Hospital Sul na cidade de El-Fasher, abriram fogo, saquearam medicamentos e equipamento médico e fugiram com uma ambulância, dizem Médicos Sem Fronteiras (DWB).

Agora, um dos últimos hospitais em funcionamento na cidade no centro da guerra civil do Sudão foi forçado a fechar as portas.

“Isso é realmente ultrajante”, disse Michel Lacharite, chefe de operações de emergência da DWB. Como acontece anfitrião Nil Köksal. “O que estamos a ver é que todas as partes em conflito não respeitam as suas obrigações para com os civis e para com os hospitais.”

A RSF não respondeu aos pedidos de comentários.

4ª vez que hospital é atingido em 2 meses

Não é a primeira vez que o hospital apoiado pelo DWB é atacado durante a guerra.

Entre 25 de maio e 3 de junho, o grupo de ajuda afirma que morteiros e balas atingiram diretamente o Hospital Sul três vezes, matando dois profissionais de saúde e ferindo 14 pacientes e seus cuidadores.

Mas Lacharite diz que esta é a primeira vez que militantes entram no hospital, disparam tiros e saqueiam suprimentos.

Por causa da violência anterior, o hospital já estava em processo de evacuação dos seus pacientes e funcionários nas últimas semanas. Quando os rebeldes atacaram neste fim de semana, restavam menos de uma dúzia e nenhum foi ferido.

“Felizmente… todos os nossos funcionários conseguiram fugir do hospital na hora certa”, disse Lacharite.

Lacharite disse à Associated Press que a equipe do grupo encontrou dois corpos dentro das instalações e os identificou como um combatente da RSF e um soldado militar. As circunstâncias de suas mortes não foram imediatamente claras.

Mulheres e bebés no campo de deslocados de Zamzam, perto de El-Fasher, no norte de Darfur, Sudão, em Janeiro. (Mohamed Zakaria/Médicos Sem Fronteiras/Reuters)

A cidade de El-Fasher é a mais recente frente da guerra de um ano entre o exército sudanês e a RSF paramilitar. Mais de 1,8 milhões de pessoas vivem lá, incluindo centenas de milhares de pessoas que foram deslocadas pela guerra.

O South Hospital era o único centro de saúde da cidade capaz de lidar com as vítimas em massa da guerra no Sudão, diz a DWB. Mais de 1.300 feridos procuraram tratamento ali entre 10 de maio e 6 de junho.

Desde então, os pacientes foram transferidos para a Maternidade Saudita, o único outro hospital da cidade com instalações cirúrgicas. Lacharite diz que a equipe está trabalhando para montar um pronto-socorro lá.

“Mas isto é bastante complicado. A cidade toda está cercada e bastante insegura. Então até organizar o abastecimento e o apoio a este hospital é um verdadeiro desafio”, disse.

A Organização Mundial da Saúde e as Nações Unidas condenaram o ataque.

“A escalada da violência em El-Fasher, no Sudão, está a desferir um golpe esmagador nos civis mais vulneráveis”, disse Martin Griffiths, subsecretário-geral para assuntos humanitários, num comunicado.

Deslocamento em massa, fome iminente

Desde o início da guerra, em Abril de 2023, a situação deteriorou-se rapidamente.

Mais de 14 mil pessoas foram mortas no conflito, milhares ficaram feridas e o país está à beira da fome, segundo as Nações Unidas.

A ONU afirma que também foram denunciadas violência sexual generalizada e outras atrocidades cometidas por ambos os lados, o que equivale a crimes de guerra e crimes contra a humanidade, especialmente em Darfur.

Mulheres fazem fila ao lado de um prédio verde-claro enquanto crianças sentam e conversam nas proximidades em equipamentos de playground na areia
Mulheres deslocadas internamente esperam numa fila para receber ajuda de um grupo num campo em Gadaref, no Sudão, em 12 de maio. (Imagens AFP/Getty)

A guerra também criou a maior crise de deslocamento do mundo, com 10 milhões de pessoas forçadas a fugir das suas casas, incluindo mais de dois milhões de pessoas que atravessaram a fronteira para países vizinhos.

Muitos dos deslocados internos vivem em El-Fasher, o último reduto militar na extensa região de Darfur.

Nos últimos meses, a RSF intensificou a sua ofensiva para tentar tomar o controlo da cidade. Os militares, entretanto, aliaram-se a grupos rebeldes e formaram uma força conjunta para manter o controlo.

Lacharite diz que a violência não dá sinais de diminuir.

“Estamos muito pessimistas. Enquanto conversamos, ambas as partes em conflito estão mobilizando mais tropas para continuar a luta”, disse ele. “Estamos realmente assustados.”


Com arquivos da Reuters e da Associated Press. Entrevista com Michel Lacharite produzida por Sarah Jackson

fonte

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here