Home Notícias Israel tem como alvo armas e linhas de abastecimento na Síria enquanto...

Israel tem como alvo armas e linhas de abastecimento na Síria enquanto as tensões com o Hezbollah ameaçam explodir

7
0

  • Há muito que Israel tem como alvo as operações militares do Hezbollah, mas o conflito entre os dois eclodiu num confronto aberto durante a guerra Israel-Hamas.
  • A escalada para uma guerra total é possível, mas não inevitável. Um funcionário anônimo do governo israelense disse que Israel pretende enfraquecer o Hezbollah e desencorajá-lo de entrar em guerra, visando fábricas de armas e linhas de abastecimento.
  • O Irã atribuiu a Israel o recente ataque a uma fábrica escondida de fabricação de mísseis do Hezbollah que matou Saeed Abyar, descrito pela mídia estatal iraniana como um conselheiro do IRGC, e o chefe do IRGC prometeu retaliar.

Israel intensificou ataques secretos na Síria contra locais de armas, rotas de abastecimento e comandantes ligados ao Irã, disseram sete autoridades regionais e diplomatas, antes de uma ameaça de ataque em grande escala ao Hezbollah, principal aliado de Teerã, no Líbano.

Um ataque aéreo em 2 de junho que matou 18 pessoas, incluindo um conselheiro da elite da Guarda Revolucionária do Irã, teve como alvo um local fortificado de armas clandestino perto de Aleppo, disseram três das fontes. Em maio, um ataque aéreo atingiu um comboio de caminhões que se dirigia ao Líbano carregando peças de mísseis e outro ataque matou agentes do Hezbollah, disseram quatro.

Há anos que Israel ataca grupos militantes apoiados pelo arqui-inimigo Irão na Síria e noutros lugares, numa campanha de baixo nível que irrompeu num confronto aberto depois de Israel e o grupo palestiniano Hamas – outro aliado iraniano – terem entrado em guerra em Gaza no dia 7 de Outubro.

BLINKEN ATERRE NO EGITO ENQUANTO O ADMINISTRATIVO DE BIDEN BUSCA IMPULSAR O CESSAR-FOGO, EVITAR A ESCALADA COM O HEZBOLLAH

Desde então, Israel matou dezenas de oficiais da Guarda Revolucionária (IRGC) e do Hezbollah na Síria, contra apenas dois no ano passado, antes do ataque de 7 de outubro, de acordo com uma contagem do Instituto de Política para o Oriente Próximo de Washington, um think tank.

A batalha atingiu o auge em abril, quando Israel bombardeou o consulado iraniano em Damasco, matando o principal comandante do IRGC para operações no Levante. Em retaliação, o Irão disparou cerca de 300 mísseis e drones contra Israel, quase todos abatidos. Israel então atacou o território iraniano com drones.

Este confronto direto, inédito entre os dois países, parou aí. Israel também reduziu brevemente o número de ataques que realizava contra representantes iranianos, disse Selin Uysal, diplomata francês destacado para o Instituto de Washington, citando a contagem, que contabilizou ataques publicamente conhecidos nas semanas imediatamente anteriores e posteriores.

Os enlutados se reúnem perto do caixão de Jaafar Serhan, membro do Hezbollah, que foi morto enquanto estava destacado na Síria com o Hezbollah, durante seu funeral em Mashghara, Líbano, em 13 de novembro de 2023. (Reuters/Aziz Taher/Foto de arquivo)

“Houve uma desaceleração” após o confronto em abril, disse ela.

“Mas estão a aumentar novamente devido a suspeitas de transferências de armas iranianas para o Líbano. Há um esforço cinético na Síria e no Líbano para perturbar a cadeia de abastecimento entre o Irão e o Hezbollah.”

A Reuters entrevistou três autoridades sírias, uma autoridade do governo israelense e três diplomatas ocidentais sobre a campanha de Israel na Síria. As autoridades pediram anonimato para falar livremente sobre assuntos delicados.

As autoridades sírias deram detalhes não divulgados anteriormente sobre os alvos dos ataques israelenses nas cidades de Aleppo e Homs nos últimos meses, incluindo o ataque de 2 de junho.

Todos os entrevistados disseram que as medidas de Israel sugeriam que o país estava se preparando para uma guerra em grande escala contra o Hezbollah no Líbano, que faz fronteira com a Síria, que poderia começar quando Israel reduzisse a sua campanha em Gaza.

“As declarações dos nossos líderes foram claras de que a escalada poderia ser iminente no Líbano”, disse o funcionário do governo israelita.

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, disse na semana passada que o seu país estava preparado para “uma acção muito forte” na sua fronteira com o Líbano, onde tem travado uma batalha até agora limitada com o Hezbollah desde 8 de Outubro.

A guerra no Líbano não é inevitável. Israel também indicou abertura aos esforços diplomáticos mediados por Washington e França. O funcionário do governo israelense disse que a campanha na Síria também visava enfraquecer o Hezbollah e, ​​assim, desencorajá-lo de uma guerra com Israel.

O governo e os militares israelenses não responderam às perguntas deste artigo. Israel raramente reconhece publicamente os assassinatos selectivos no estrangeiro e não comentou os recentes ataques na Síria. Um alto funcionário israelense disse no ano passado que Israel estava determinado a evitar que a Síria se tornasse parte de uma nova frente.

O IRGC e um porta-voz do governo sírio não responderam. O Hezbollah não quis comentar.

MATANDO COMANDANTES, ATINGINDO SUPRIMENTOS

A Síria, um antigo aliado iraniano, tornou-se o principal canal para o fornecimento de armas de Teerão ao Hezbollah depois de o Irão ter destacado militares e milhares de paramilitares aliados, por volta de 2013, para ajudar o presidente Bashar al-Assad durante a guerra civil em curso no seu país.

Algumas peças de armas são contrabandeadas para a Síria, enquanto outras são montadas lá, disseram as três autoridades sírias.

A campanha de Israel na Síria visa garantir que o Hezbollah, o aliado mais leal do Irã e o eixo da projeção do poder regional de Teerã através de representantes militantes, seja o mais fraco possível antes de qualquer tipo de luta começar, disseram as autoridades sírias e israelenses.

O assassinato de Saeed Abyar, em 2 de junho, descrito pela mídia estatal iraniana como um conselheiro do IRGC, mostrou o alcance de Israel na retirada de pessoal-chave e na escolha de equipamentos, mesmo quando o Irã tentou novos métodos de proteção de armas e peças destinadas ao Hezbollah, disseram as autoridades sírias. incluindo a transferência da fabricação de armas para locais mais escondidos ou fortificados.

Abyar estava visitando uma fábrica de mísseis do Hezbollah que estava escondida dentro de uma pedreira a leste da cidade de Aleppo quando foi atingido, disseram as autoridades sírias. “A instalação estava em uma área projetada para ser difícil de encontrar e de atingir”, disse um dos funcionários, um oficial de inteligência.

O Irã culpou Israel pelo ataque de domingo e o chefe do IRGC prometeu retaliar.

O ATAQUE DA EMBAIXADA DOS EUA NO LÍBANO ESTAVA USANDO O QUE 'PARECE' SER A INSIGNIA DO ISIS, DIZ O DEPARTAMENTO DE ESTADO

As autoridades disseram que o ataque matou outras 17 pessoas, incluindo milicianos alinhados ao Irã. Foi o primeiro alvo do IRGC desde que Israel bombardeou o consulado iraniano, disseram.

Mas não é o único ataque realizado desde então.

Um ataque aéreo perto da cidade síria de Homs, em 29 de maio, teve como alvo um veículo que transportava peças para mísseis guiados da Síria para o Líbano, disse o oficial da inteligência síria. Outro ataque em 20 de maio teve como alvo membros do Hezbollah, disse o oficial.

Antes do ataque ao consulado iraniano, uma série de ataques aéreos no final de março em torno de Aleppo atingiu armazéns que armazenavam explosivos para ogivas de mísseis, disse o oficial.

Outros ataques tiveram como alvo sistemas de defesa aérea sírios que nos últimos anos deram ao Hezbollah e aos militares iranianos alguma segurança para operar, incluindo sistemas de defesa aérea Pantsir de fabricação russa, lançadores de mísseis móveis que os militares sírios usam, disse um oficial militar sírio. Outros ataques tiveram como alvo sistemas de radar de alerta precoce, disse a autoridade.

“Em alguns casos, Israel está atacando antes mesmo de instalarmos o nosso equipamento”, disse o funcionário.

O funcionário do governo israelense disse que os alvos de Israel eram armas antiaéreas avançadas, foguetes pesados ​​e sistemas de orientação de precisão para mísseis.

ISRAEL PONDERANDO A BALANÇA?

O número de ataques israelitas na Síria aumentou dramaticamente depois de 7 de Outubro, quando Israel e o Hamas entraram em guerra.

“A frequência dobrou”, disse Uysal, do Instituto Washington.

Israel realizou 50 ataques aéreos na Síria nos seis meses após o início da guerra em Gaza, disse ela. “Isso incluiu ataques ao aeroporto de Aleppo, ao aeroporto militar de Nairab, ao aeroporto de Damasco e ao aeroporto militar de Mezzeh, que são fundamentais nas transferências de armas. Os esconderijos de armas também estavam entre os alvos.”

Os ataques incluíram a morte de cerca de 20 funcionários do IRGC e mais de 30 comandantes do Hezbollah, disse Uysal. Entre janeiro e outubro de 2023, dois oficiais do IRGC e nenhum comandante do Hezbollah foram mortos por ataques israelenses na Síria, disse Uysal.

“Os ataques na Síria certamente impedem as entregas de armas e munições e prejudicam a capacidade de organização do Hezbollah ou do Irão”, disse Lior Akerman, da Universidade Reichman, antigo brigadeiro-general do serviço de segurança interna de Israel.

O Irão envia um número limitado de conselheiros para a Síria, tais como os altos funcionários do IRGC mortos no atentado bombista ao consulado. O Hezbollah enviou milhares de combatentes para lá.

CLIQUE AQUI PARA OBTER O APLICATIVO FOX NEWS

O oficial do Hezbollah, Nawaf Musawi, disse ao canal de TV Al Mayadeen, alinhado ao Irã, em março, que o grupo estava abrindo novos depósitos de munição “e obtendo mais mísseis de precisão e armas de melhor qualidade por terra, mar e ar”.

Farzan Sabet, pesquisador sênior do Instituto de Pós-Graduação de Genebra especializado em política externa iraniana, disse que os ataques a Israel pelo Hezbollah e pelos aliados do Irã no Iraque e no Iêmen durante a guerra de Gaza tiveram um impacto negativo sobre Israel.

“Mas matou muito mais agentes do Hezbollah e figuras importantes, incluindo pessoal do IRGC na Síria, portanto, no geral, é uma perda maior” para os aliados do Irão, disse Sabet.

fonte

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here